Manduca Belém

De Tavares/RS Havita Rigamonti e Jussara Iuches

Caraunas nos Campos de Banhados da Chácara - foto Jus Iuches
Quando pego a filmadora, é pra contrariar a quietude.  É pra mexer com a paz dos confins que há em mim.
Esse Brasil é mesmo fascinante. Em qualquer região a beleza é tônica. Mesmo que a corrida pela tecnologia e o consumo desenfreado seja uma jamanta morro abaixo sem freios, encontramos paraísos que resistem a esse “derrocador” período de destruição dos ambientes naturais.

Graça-branca-grande - foto Jus Iuches
No município de Tavares/RS reside a Natureza. Ela mora lá entre pessoas incríveis com sorrisos verdadeiros nos lábios. Gente com brilho contagiante nos olhos. Um universo de boas coisas. Por ser um povo maravilhoso, a natureza foi muito benevolente com a região e os presenteou com a Lagoa do Peixe e Lagoa dos Patos.
Banhados na Chácara Manduca Belém - foto Havita Rigamonti
Os “avuantes”  desgarram-se de seus rincões e pousam despreocupados na Chácara Manduca Belém que também escolheu Tavares como habitat. Lugar guardado sob as luzes do amor pelo simples prazer de ver os campos de banhados, dunas, lagoas e praias sem a agressão do humano, essa Chácara juntou-se ao que há de mais lindo na Cidade, o ambiente muito conservado da hospitaleira cidade de Tavares.
Capororocas na Chácara Manduca Belém - Foto Jus Iuches
É um lugar que sempre tem falcões parceiros e outras aves também, tem ainda as locais e as que vêm de muito além.
Aqui não há o que recuperar ambientalmente, apenas aprendermos como se deve respeitar e coexistir com a Natureza. Uma prova de que é muito simples cuidar do que nos é mais sagrado: a Vida Natural.
Corujinha-buraqueira - foto Havita
Naturalmente Brasil é isso, é ser como Neri Costa, o proprietário da Chácara Manduca Belém, e outros moradores da adorável Tavares. Uma cidade que deixa mais forte os bordões do coração de boa fé.

Até as nuvens são asas na Manduca Belém - foto Havita Rigamonti
Se encontre em paz com a distância de Tavares e da Chácara Manduca Belém. Sinta o cricrilar dos grilos que soam como flautas dos elfos. Veja a noite como ela é de fato, cheia de estrelas madrinhas. O encanto é o som absoluto na Natureza.
Flamingo, a ave simbolo de Tavares
Tavares fica a 255km ao sul de Porto Alegre pela BR 101. Mais informações da Chácara Manduca Belém e da Cidade com Rigamonti.
havitarigamonti@gmail.com
Pousada Paraiso em Tavares é uma boa opção de estadia e
Hotel Parque da Lagoa
Neri Costa com Havita Rigamonti - foto Jus iuches
Farol, atrativo turístico de Tavares. Lagoa dos Patos - foto Havita Rigamonti
Bordas das pequenas lagoas da Chácara - foto Havita
Tipio. Pássaro que vive nos juncais da Chácara Manduca Belém - foto Jus Iuches

Novo Documentário



Havita Rigamonti lança seu novo DVD “Lagoa do Peixe – A Laguna das Aves”
Dunas em Mostardas
Há 10 anos o documentarista Havita Rigamonti se dedica à produção de audiovisuais sobre a vida silvestre, se destacando como o realizador mais premiado do Brasil neste tema, com filmes exibidos em vários paises. Seu mais novo trabalho, “Lagoa do Peixe: A Laguna das Aves” acaba de ser lançado em DVD.
 “Lagoa do Peixe: A Laguna das Aves” é o quinto trabalho a ser lançado pela série de DVDs Programa Bioma Brasil, que conta com outros títulos feitos pelo documentarista. Este filme retrata a vida silvestre em um dos maiores santuários de aves migratórias do hemisfério Sul: a Lagoa do Peixe, que em 1986 foi elevada á parque nacional. Trata-se de uma laguna de águas muito rasas e tem comunicação com o mar atraindo aves que buscam abrigo e alimento.

Macaricos-de-peito-vermelho
Uma característica deste e de outros trabalhos de Havita é a busca de uma linguagem educativa para o documentário ambiental. “Meus filmes vão além do documentar o meio ambiente. Eles são educacionais, tenho consultoria pedagógica para auxiliar  e chegar nesta linguagem”, comenta o diretor, que também tem como marca de suas obras o uso de músicas originais, feitas exclusivamente para o filme.
trita-reis na Lagoa dos Patos
Havita Rigamonti é técnico em ecoturismo e documentarista. Realizou seu primeiro filme em 2002, o curta “Asas da Liberdade”, com apenas 3 minutos de duração, mas que recebeu prêmios de melhor filme (na 2ª edição do festival Ecocine) e melhor diretor (na Adventure Sports Fair - FATU Filmes). Desde então, produziu dezenas de outros trabalhos, nas mais diversas regiões do Brasil, desde a Amazônia, passando pelo Brasil Central, até chegar na Região Sul, como é o caso do filme atual. “Eu mostro o Brasil, mas meus filmes são universais, afinal a vida silvestre está diretamente conectada à vida das pessoas, e esta é a minha forma de expressão, de semear a sensibilização ambiental”, afirma Rigamonti.
Animais domésticos na Lagoa do Peixe
“Lagoa do Peixe: A Laguna das Aves” tem distribuição da Moro Filmes, que desenvolve uma parceria com o diretor, Juntos, criaram o Programa Bioma Brasil, que também tem um desdobramento de web série. Os títulos anteriores do Bioma Brasil encontram-se em exibição na Fish TV, e estão disponíveis em DVD.
havitarigamonti@gmail.com (41) – 88201205

A Montanha Deitada aos Pedaços

Havita Rigamonti de São José do Norte/RS - fotos do autor
A esquerda da rochas Oceano Atlântico. A direita Lagoa dos Patos.
Uma montanha fragmentada em pedaços de até dez mil quilos cada um, movida até São José do Norte/RS  e disposta de forma longilínea para atenuar o bater das ondas na entrada da barra do canal e assegurar a navegação das enormes embarcações que aportam em Rio Grande, um dos portos mais importantes da região, local de encontro entre a Lagoa Dos Patos e o Oceano Atlântic
Entrada da Barra
Os Molhes, Oeste e Leste, têm mais de quatro quilômetros de comprimento cada um. Foram construídos a partir de 1911. A obra demorou mais de nove anos para ser concluída.
Em meados da década de 1990, foi adicionado um número grande de tetrápodes, grandes blocos de concreto, para recuperar alguns pontos dessa engenhosa e curiosa arquitetura que hoje além de ser atrativo turístico, é também abrigo da maior concentração de Leões-marinhos do Sul do Brasil.
 
Leão-marinho sobre um tetrápode
Só a recuperação custou aproximadamente 300 milhões de reais, foram colocados mais de seiscentos mil quilos de pedras e tetrápodes para corrigir a entrada de areia que começou romper a barreira artificial e comprometendo o canal navegável.
Estima-se que cinco mil operários trabalharam na construção dessa montanha despedaçada.
O Molhe Oeste está na Praia do Cassino e o Leste em São José do Norte, ambos no Rio Grande do Sul.

Tetrápodes de 10 toneladas de concreto cada um
É necessária disposição, roupas confortáveis para conhecer todo o trajeto e proteção para o equipamento fotográfico, pois os ventos fortes e constantes provocam deslocamento aéreo da areia no começo da caminhada. No entanto o esforço vale à pena. Caminhando em silêncio e atento, é possível observar belos animais como o Lobo-do-mar, Leão-marinho e muitas aves de terra e marinhas.
Informações
Respeite as normas locais e não toque em animais silvestres de forma alguma. Boa viagem
Agradecimentos
Neri Costa,  Maria de Lourdes Moraes Costa, Tietta Pivatto Sylvia Paraty e Pousada Paraiso.
Lobo-marinho descansando
Porto de Rio Grande
Rochas, fragmentos de montanhas. Atrativo turístico

As Aves Aproximando Pessoas em Tavares RS

De Tavares RS, Havita Rigamonti


Uma imensa sala de aula a Céu aberto foi o cenário que acolheu o 10° Festival Brasileiro de Aves Migratórias na cidade de Tavares/RS que aconteceu entre 24 e 27 de outubro de 2013.

O município foi palco de palestras, mostras de filmes, observação de aves, debates, cursos e muitas apresentações de temas culturais. Um grande e importante evento de Sensibilização Ambiental.

Os organizadores do festival usaram vários elementos que enriqueceram as festividades e que contou com o empenho da comunidade escolar local e participações muito especiais das crianças.

Os visitantes do encontro tiveram a oportunidade de apreciar a dedicação e a criatividade dos alunos expressa numa grande maquete do Parque Nacional da Lagoa do Peixe, a diversidade da avifauna representada em pequenas esculturas de papel expostas no gramado da pitoresca praça e belíssimas apresentações folclóricas locais.

Poucos municípios, que possuem Santuários naturais como o Parque Nacional Lagoa do Peixe, conseguem valorizar o patrimônio histórico natural e humano. A realização de eventos desse porte revela que Tavares sabe fazer essa tão importante fusão de pessoas com o ambiente natural, mostrando uma verdadeira inter-relação.

É bonito ver gente orgulhosa do Parque em seu município, valorizando não só as belezas naturais, mas principalmente o Ecossistema como integrante da sociedade.

Roséli Azi Nascimento, organizadora do Festival, dosou com muito profissionalismo e sensibilidade os âmbitos científicos e humanos, transformando o evento em um maravilhoso ponto de encontro de pessoas interessadas em uma qualidade de vida, de fato.

A programação contou também com profissionais importantes da Ornitologia como Tietta Pivatto, Rick e Elis Simpson, Gislaine Disconzi, Guto Carvalho, Maximiano Pinheiro Cirne, Dr Demétrio Luiz Guadagnin, Dr Rafel Dias, e Ms Maycon Sanyvan.
Foi apresentado ainda o Documentário, Lagoa do Peixe – A Laguna das Aves do documentarista Havita Rigamonti - Programa Bioma Brasil, que trás a bela e original música de João Araújo na Trilha Sonora com participação especial de Matheus 7 Cordas.
O Documentário tem distribuição exclusiva da Moro Filmes, parceira do Diretor Rigamonti

Agradecimentos especiais à
Renault do Brasil
Prefeitura de Tavares 
(Michele Araujo)
 ICMBio
SEBRAE
e
Pousada Paraiso

A Laguna das Aves


Há 10 anos o documentarista Havita Rigamonti se dedica à produção de audiovisuais sobre a vida silvestre, se destacando como o realizador mais premiado do Brasil neste tema, com filmes exibidos em vários paises. Seu mais novo trabalho, “Lagoa do Peixe: A Laguna das Aves” acaba de ser lançado em DVD.

Tesourinha - Tinamus savana
 “Lagoa do Peixe: A Laguna das Aves” é o quinto trabalho a ser lançado pela série de DVDs Programa Bioma Brasil, que conta com outros títulos feitos pelo documentarista. Este filme retrata a vida silvestre em um dos maiores santuários de aves migratórias do hemisfério Sul: a Lagoa do Peixe, que em 1986 foi elevada á condição de parque nacional. Trata-se de uma laguna de águas muito rasas e com comunicação com o mar atraindo aves que buscam abrigo e alimento.
Policia-inglesa-do-sul -Sturnella superciliaris
Uma característica deste e de outros trabalhos de Havita é a busca de uma linguagem educativa para o documentário ambiental. “Meus filmes vão além do documentar o meio ambiente. Eles são educacionais, e eu tenho até uma consultoria pedagógica para me auxiliar a chegar nesta linguagem”, comenta o diretor, que também tem como marca de suas obras o uso de músicas originais, feitas exclusivamente para o filme. Em “Lagoa do Peixe: A Laguna das Aves
Gavião-cabvoclo - Heterospizias meridioonalis
Havita Rigamonti é técnico em ecoturismo e documentarista. Realizou seu primeiro filme em 2002, o curta “Asas da Liberdade”, com apenas 3 minutos de duração, mas que recebeu prêmios de melhor filme (na 2ª edição do festival Ecocine) e melhor diretor (na Adventure Sports Fair - FATU Filmes). Desde então, produziu dezenas de outros trabalhos, nas mais diversas regiões do Brasil, desde a Amazônia, passando pelo Brasil Central, até chegar na Região Sul, como é o caso do filme atual. “Eu mostro o Brasil, mas meus filmes são universais, afinal a vida silvestre está diretamente conectada à vida das pessoas, e esta é a minha forma de expressão, de semear a sensibilização ambiental”, afirma Rigamonti.
Dunas em Mostardas RS
“Lagoa do Peixe: A Laguna das Aves” tem distribuição da Moro Filmes, que desenvolve uma parceria com o diretor, Juntos, criaram o Programa Bioma Brasil, que também tem um desdobramento de web série. Os títulos anteriores do Bioma Brasil encontram-se em exibição na Fish TV, e estão disponíveis em DVD.
havitarigamonti@gmail.com (41) – 88201205

De Volta ao Velho Pouso



De Guaraqueçaba

Havita Rigamonti e Jus Iuches

Pouso do Guará: esse é o significado da palavra Guaraqueçaba segundo alguns autores. Há aproximadamente 40 anos essas lindas aves, os Guarás – Eudocimus ruber,  desapareceram da região. Uma das principais atividades que deflagrou o sumiço desses seres alados, se deve basicamente a caça dessa espécie por causa de sua plumagem charmosa, vistosa e chamativa. Agora, esse nome volta a ter sentido devido a grande concentração de aves que tem sido avistada recentemente nos manguezais de Guaraqueçaba.  O vermelho intenso na fase adulta atrai a atenção de observadores em meio ao verde predominante do estuário. É no período de reprodução que a ave se faz mais bela, principalmente o macho guará.

Guarás - Eudocimus ruber
Menos ameaçados, mas não menos bonitos, os Colhereiros - Platalea ajaja, com seus tons rosados na plumagem, também decoram a paisagem e se destacam no paraíso. Seu nome originou-se por conta do desenho do bico em forma de colher, que tem a função de peneirar organismos no solo lodoso litorâneo para alimentá-las. Tanto sua cor rosa quanto o vermelho dos Guarás, são resultados dos carotenóides, substâncias existentes nos crustáceos e moluscos, base alimentar dessas graciosas aves. 

Colhereiros - Platalea ajaja,
A Região de Guaraqueçaba e seu entorno são compostos por manguezais. O ambiente é considerado, pela UNESCO, Patrimônio da Humanidade e Reserva da Biosfera, um entreposto de Vida. Este Ecossistema bastante conservado abriga também outras espécies raras como o Chauá, Papagaio-da-cara-roxa – Amazona brasiliensis. Um ambiente genuinamente rico em Biodiversidade localizado no litoral norte do Paraná na divisa com São Paulo.
Guará da esquerda ainda com plumagem juvenil
Grupo de Guarás em voo no manguezal
Colhereiro em primeiro plano com Guarás ao fundo!
 Informações sobre a região e avifauna do ambiente, Havita Rigamonti, havita@biomabrasil.com.br e havitavideo@yahoo.com.be  (41)85024570 – 88201205